Visão de Mercado

FC Porto q.b. marca duelo com o Benfica na final da Taça; Azuis e brancos estiveram amorfos mas eliminatória nunca esteve em causa; Telles desbloqueou de penálti e ainda assistiu; Zé Luís e Sérgio Oliveira também marcaram

É desta que Conceição quebra a malapata com as Taças? Enquanto técnico dos azuis e brancos teve quase sempre desfechos ‘traumáticos’ nas competições nacionais a eliminar (caiu por duas vezes nos penaltis na Taça de Portugal e na Taça da Liga, e esta época perdeu no último minuto da final da Taça da Liga), juntando a isto a derrota, também nos penaltis, no Jamor em 2014-15 ante o Sporting à frente do SC Braga. Nesse sentido, é de elogiar a regularidade de SC nas Taças a nível interno (chega sempre às decisões) mas é tempo de terminar com esta ‘maldição’ – para o clube estar sem ganhar a Taça desde 2011 também é demasiado tempo – e esta final vai ter uma importância muito especial. Desde logo, por fechar a temporada, mas sobretudo por significar a disputa directa de um troféu entre Benfica e FC Porto, algo pouco comum (não sucede nesta competição desde 2003-04). Já este apuramento foi conseguido pelos azuis e brancos num modo de gestão que foi mais do que suficiente. O quadro desta Taça foi bastante acessível para a turma de Conceição e, apesar de nunca ter sido exuberante (hoje a exibição, tal como em Viseu, foi muito amorfa), a presença na final nunca foi colocada em causa pelo Académico. Individualmente, Telles engrossou as suas estatísticas (já são 9 golos e 9 assistências na temporada) e Zé Luís aproveitou para ganhar pontos (tem jogado pouco, mas continua com uma boa relação com o golo). Também Mbemba (chega a esta fase da época muito forte nos duelos) e Vítor Ferreira aproveitaram os minutos de que dispuseram.

FC Porto 3-0 Académico de Viseu (Alex Telles 19′ p., Zé Luís 64′, Sérgio Oliveira 72′)

No Dragão, a equipa de Sérgio Conceição bateu o rival da II Liga com quem tinha empatado a um na 1.ª mão e marca assim encontro com o Benfica, num embate que não sucede no duelo do Jamor desde 2003-04. O técnico portista operou 7 alterações em relação à equipa que venceu o clássico, e a verdade é que a 1.ª parte dos azuis e brancos foi frouxa. O FC Porto chegou à vantagem através de um penalti de Telles, mas o conjunto de Viseu, mesmo sem qualidade para assustar Diogo Costa, conseguiu dividir a partida. No 2.º tempo, o sonho dos visitantes esfumou-se, com Zé Luís (chegou ao 10.º tento em 13 duelos a titular nesta campanha) e Sérgio Oliveira a fixarem o resultado final, o qual permite ao conjunto portista estar na discussão por uma Taça que lhe foge desde 2010-11, ainda na Era André Villas-Boas.

XI do FC Porto: Diogo Costa; Manafá, Mbemba, Diogo Leite, Alex Telles; Uribe, Vítor Ferreira; Corona, Nakajima, Luis Díaz; Zé Luís.

XI do Académico de Viseu: Ricardo Fernandes, Rui Silva, Pica, Mathaus e Jorge Miguel; Kelvin, João Oliveira, Fernando Ferreira e Luisinho; João Mário e Patric.

O post FC Porto q.b. marca duelo com o Benfica na final da Taça; Azuis e brancos estiveram amorfos mas eliminatória nunca esteve em causa; Telles desbloqueou de penálti e ainda assistiu; Zé Luís e Sérgio Oliveira também marcaram aparece primeiro no Visão de Mercado.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Desporto ao Minuto é um portal de notícias de desporto, que organiza as últimas notícias e posts das redes sociais dos clubes em Portugal e, em breve, de todo o mundo!

Desporto ao Minuto 2019, Notícias de Desporto de Última Hora

To Top